0
May 20, 2021

Educação Financeira Infantil: Como Ensinar as Crianças sobre Dinheiro

//


Ensinar as crianças sobre dinheiro, a importância de economizar, gastar com sabedoria e investir é essencial para prepará-las para o sucesso a longo prazo.

Muito do nosso comportamento financeiro vem das fórmulas vencedoras ou das crenças limitantes que aprendemos quando crianças.

Segundo estudo da Universidade de Cambridge, boa parte dos nossos conceitos e hábitos financeiros são formados até os 7 anos de idade.

Por isso, ensinar as crianças desde cedo sobre a importância de cuidar do próprio dinheiro pode ajudar a mudar a relação que desenvolvem com as finanças na vida adulta.

Muitas vezes, no intuito de proteger, os pais evitam falar sobre dinheiro com os filhos. Porém, isso pode acabar por transformá-los em adultos sem educação financeira.

Alguém que não sabe lidar com dinheiro de forma equilibrada pode enfrentar muitos problemas na vida, tais como endividamento excessivo, incapacidade de poupar para a realização de um sonho e tantos outros.

A educação financeira na infância é algo essencial que deveria ser ensinado tanto nas casas quanto nas escolas.

Existem muitos bons motivos para ensinar seus filhos sobre dinheiro.

Seja para que eles não repitam seus próprios erros financeiros ou para que consigam fazer boas escolhas e ter um futuro financeiramente independente.

Qualquer que seja sua motivação, pode ser um desafio descobrir como ensinar as crianças sobre dinheiro.

Com que idade começar? Quais as melhores formas de mostrar a importância de administrar bem o dinheiro?

Continue lendo esse artigo e confira algumas dicas de educação financeira para crianças para que elas aprendam desde cedo a lidar melhor com o dinheiro e se tornarem adultos mais responsáveis.

Como ensinar os filhos sobre dinheiro

Existem diferentes abordagens para ensinar as crianças sobre dinheiro.

Quanto antes você tratar desse tema de maneira franca com seus filhos, maiores as chances de que eles desenvolvam uma relação equilibrada com as finanças.

Veja algumas regras gerais para a educação financeira das crianças:

Converse com seus filhos sobre dinheiro

Os diálogos sobre educação financeira devem ser iniciados o quanto antes com as crianças, de forma lúdica e leve, para que se desenvolva uma relação saudável e positiva.

É um erro evitar falar sobre dinheiro com as crianças. Dessa forma, só transformará isso em um assunto em tabu.

Você não precisa e nem deve fornecer detalhes além do que a curiosidade delas deseja saber, como, por exemplo, o valor do seu salário.

Mas inicie o contato com as noções básicas de consumo e dinheiro com os pequenos desde cedo.

Com três anos a criança já começa a entender que, para possuir certas coisas que deseja, é preciso dinheiro.

Conforme ela cresce é possível aproveitar as situações do dia a dia para ensinar sobre dinheiro.

Durante um passeio no shopping ou no mercado, por exemplo, dá para discutir porque um mesmo produto é vendido por preços diferentes, as variações de marca, de padrão de qualidade, do tipo de material, entre outras.

Ou falar sobre a diferença entre as coisas que “precisamos” daquelas que “desejamos” comprar.

Quando os filhos já estão um pouco mais velhos, outra melhor maneira de ensinar bons hábitos financeiros é discutir com eles as decisões financeiras.

Embora cada um tome decisões financeiras diferentes, você deve conversar com seus filhos o que pensa sobre ganhar, gastar, economizar e investir.

Dê o exemplo

As crianças aprendem através de observação, instrução e prática. Com as finanças não é diferente, eles vão se inspirar no exemplo dos pais.

Por isso, viver uma vida de acordo com os valores que se quer passar é tão importante.

De nada adianta querer que os filhos desenvolvam bons hábitos se você mesmo não o faz.
Mostre as tarefas cotidianas

Mesmo muito pequenas, as crianças são capazes de perceber a ação de pagar por uma compra, por exemplo, por mais que ainda não compreendem de onde vem o dinheiro.

O dinheiro está presente no nosso cotidiano. Por isso, é importante incluir as crianças nos rituais em que há gasto de dinheiro.

O simples fato de deixá-la entregar o dinheiro no caixa já é capaz de fazer ela assimilar as normas, atitudes e valores sociais de adquirir algo.

Cofrinho

O bom e velho cofrinho é uma maneira simples de apresentar conceitos financeiros às crianças.

Com ele dá para explicar o valor do dinheiro e o efeito do ato de poupar.

Uma boa maneira de fazer as crianças assimilarem isso é propor que guardem uma moeda por dia para poder comprar um chocolate no fim de semana.


Considere dar uma mesada

A mesada é uma das ferramentas mais utilizadas na educação financeira para crianças, mas deve ser usada com cuidado.

Dar uma pequena mesada ajuda as crianças a aprenderem como fazer escolhas com seu dinheiro.

Porém, deixe as regras bem claras.

Reserve um dia, ou dias específicos para fazer o “pagamento” e deixe que as crianças decidam o que fazer com o dinheiro.

Se o dinheiro acabar e elas quiserem mais, lembre-as da data do próximo pagamento e aproveite para falar sobre a importância de controlar os gastos.

Já o ato de dar dinheiro para as crianças quando fazem algo deve ser analisado com cuidado.

Embora as recompensas reforcem o comportamento, é preciso ter muito cuidado para não criar uma relação de dependência.

As crianças não devem ser pagas para fazer as tarefas domésticas esperadas, como ajudar na louça ou arrumar o quarto.

 

Continue discutindo finanças com seu filho adolescente

A conversa sobre dinheiro deve iniciar na infância, mas não deve parar na adolescência.

Espera-se que nessa fase os filhos já tenham certa responsabilidade, mesmo assim, os pais deveriam acompanhar os filhos em suas escolhas.

Aconselhe, mas deixe que tomem suas próprias decisões e aprendam com os erros.
 

Envolva seu filho em ações de caridade

Envolver os filhos em uma filantropia é uma maneira prática de compartilhar os valores de sua família, ensiná-los a economizar, criar uma mentalidade de abundância e retribuir à comunidade.

 

Ideias para ensinar seu filho sobre dinheiro por faixa etária

A educação financeira em casa deve começar aos 3 anos de idade, quando as crianças começam a escolher e fazer pedidos de produtos, chocolates e brinquedos.

O envolvimento com o tema finanças deve ocorrer aos poucos, à medida que vão aumentando sua compreensão sobre o dinheiro.

É fundamental que os pais envolvam os pequenos ao longo de toda infância no orçamento familiar, mostrando restrições e conversando sobre o tema.

Veja como ensinar as crianças sobre dinheiro em cada faixa etária:
 

A partir dos 3 anos:

É a partir dessa idade que o comportamento de consumo se fortalece. Por isso, é importante conectar as crianças com estes ambientes.

Quando eles ganham uma guloseima na padaria ou um brinquedo na loja de, deixe-os entregar o dinheiro ou o cartão de crédito ao caixa para que eles possam experimentar a sensação de fazer um pagamento.

Isso os ajuda a entender que o dinheiro é transacional.

Nesta idade, já pode ser adotado o primeiro cofrinho, de preferência transparente para que as crianças possam ver as moedinhas se acumulando.

A partir dos três anos de idade, você pode começar a dar pequenas quantias de dinheiro para os seus filhos e explicar que para ter um brinquedo ou um passeio é preciso economizar.

Por mais que elas não tenham noção de preços, tudo começa pela questão de juntar dinheiro para comprar alguma coisa.

Ensine que para comprar o que ela quer, deverá juntar as moedas aos poucos até alcançar seu objetivo.

O exercício treina a paciência e o hábito de poupar dos pequenos.

A partir dos 6 anos:

Nesta idade, as crianças já têm uma melhor noção do valor do dinheiro. Este é um bom momento para trocar as moedinhas e dar uma “semanada”.

Estipule um valor mensal para dar ao seu filho e divida em 4 “semanadas”. Conforme ele for crescendo, pode se tornar “quinzenada”.

Além de ensinar a importância de economizar para conseguir aquilo que quer, estimule seu filho a dividir os recursos recebidos em uma parte para gastos, outra para poupar para comprar um brinquedo com valor mais alto no futuro.

É também um bom momento para começar a associar o dinheiro ao esforço.

Ao invés de remunerá-lo por cada pequena tarefa, recompense ao final de um longo período por manter o quarto arrumado, guardar os brinquedos e apresentar bons resultados na escola, por exemplo.

A partir dos 8 anos:

Agora, a “semanada” já pode se tornar mesada, pois a criança já tem mais noção de como gerir o dinheiro e já deve começar a aprender a fazer planos mais longos.

Os jogos são uma forma divertida de transmitir lições financeiras.

Jogos de tabuleiro como Banco Imobiliário e o Jogo da Vida, são ótimos para brincar com as crianças e introduzir novos conceitos da necessidade de economizar, empreender e investir.
 

Adolescência:

A adolescência é uma fase de muito aprendizado. A essa altura, seu filho já conhece o funcionamento do dinheiro e também a sua relação com o trabalho.

Esse é um bom momento para lidar com transações financeiras mais complicadas, desde que você esteja liderando o caminho e monitorando suas finanças.

Para isso, você pode abrir uma conta para que ele administre e pela qual ele seja responsável.

Ele pode ter seu próprio cartão de débito e sua própria conta de investimento.

Aproveite para ensinar sobre os riscos do mau uso do cartão de crédito, do cheque especial e de depender de empréstimos.

Converse sobre como funcionam os investimentos e os melhores lugares para fazer o dinheiro render.

E o mais importante, permita que ele erre e arque com as consequências de suas escolhas.

Essa é a hora de cometer erros e aprender com eles para que não os repita no futuro.

Dar uma boa educação financeira para seu filho é o maior legado que deixará para ele.

 

fonte: https://comoinvestir.thecap.com.br/educacao-financeira-infantil-como-ensinar-as-criancas-sobre-dinheiro/

0
October 5, 2021

Focus: Mesmo com alta da Selic, mercado eleva projeções para inflação ...

Focus: Mesmo com alta da Selic, mercado eleva projeções para inflação e expansão do PIB em 2021

SÃO PAULO – Mesmo em meio ao processo de aperto monetário em curso pelo Banco Central (BC), o mercado financeiro aumentou mais uma vez as estimativas para a inflação e para o desempenho da atividade brasileira em 2021.

De acordo com o relatório Focus divulgado pelo BC na manhã desta segunda-feira (10), a projeção para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu de 5,04% ara 5,06% neste ano, na quinta elevação consecutiva. Para 2022, as estimativas para o IPCA se mantiveram em alta de 3,61%.

Na terça-feira (11), o mercado monitora a divulgação da inflação de abril pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo a equipe de analistas do Bradesco, o IPCA deve ter alta de 0,28%, com a taxa acumulada de 12 meses acelerando de 6,1% para 6,7%.

 

Com relação ao desempenho da atividade econômica no Brasil, a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021 subiu pela terceira vez consecutiva, de 3,14% para 3,21%. Também houve correção para cima na projeção para a expansão de 2022, de 2,31% para 2,33%.

Na semana passada, diante do cenário de maior pressão inflacionária, o Banco Central elevou a taxa básica de juros em 0,75 ponto percentual, para 3,50%, em linha com o esperado. Segundo as projeções do Focus, o mercado espera nova elevação de 0,75 ponto na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) de junho, com a Selic subindo para 4,25% ao ano.

 

Para o ano cheio de 2021, a estimativa aponta para os juros básicos em 5,50% em dezembro, com aumento para 6,25% até dezembro de 2022 – sem alterações em relação ao último levantamento do Focus.

Por fim, no câmbio, os economistas ouvidos pelo BC reduziram de R$ 5,40 para R$ 5,35 as expectativas para o dólar em 2021, e mantiveram a projeção de dólar negociado a R$ 5,40 em dezembro de 2022.

 

fonte: https://www.infomoney.com.br/economia/focus-mesmo-com-alta-da-selic-mercado-eleva-projecoes-para-inflacao-e-expansao-do-pib-em-2021/

0
April 20, 2021

DIVULGAÇÃO DO RESULTADO ASSEMBLEAR 2021

A Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária Digital da CREDJUST foi realizada aos 17 (dezessete) dias do mês de abril de 2021, às 09h00 (nove horas), na sua sede social, localizada a Avenida Almirante Barroso, 600 – Centro, João Pessoa – PB. O Edital de Convocação foi publicado com antecedência mínima legal/estatutária e amplamente divulgado através de: (i) envio aos associados por e-mails e redes sociais; (ii) afixado nas dependências da Cooperativa; e (iii) publicação no Jornal a União, da cidade de João Pessoa/PB, em 07/04/2021.

I. Em Assembleia Geral Ordinária foram apresentados os seguintes itens de pauta:

 

1. Prestação de contas do exercício de 2020, compreendendo: o Relatório da Gestão, Demonstrações Contábeis, Parecer do Conselho Fiscal e Parecer da Auditoria Independente;

APROVADA
2. Destinação das sobras apuradas do exercício de 2020; APROVADA a distribuição das sobras líquidas, a critério de cada associado, que deverá solicitar a cooperativa no prazo de 30 dias (17/04/2021 a 17/05/2021
3. Aprovação do regulamento da Auditoria Interna, nos termos do Art. 15 da Resolução 4.879/20; APROVADA
4.Fixação do valor global dos honorários da diretoria e da cédula de presença dos membros da Diretoria e dos membros do Conselho Fiscal; APROVADO o aumento de honorários para 2,5 salários mínimos e cédula de presença para R$ 500,00.

II. Em Assembleia Geral Extraordinária foi apresentado o seguinte item de pauta:

1. Reforma do Estatuto Social, os artigos alterados são: § 1º do Art. 14; Inclusão § 4º do Art. 14; Alteração do § 4º do Art. 17 e Alteração do inc. XI do Art. 47.
 
APROVADO

A diretoria da CREDJUST está à disposição dos associados para esclarecimentos referentes aos assuntos tratados na pauta das assembleias realizadas.

João Pessoa/PB, 19 de abril de 2021.

                                    Paulo Roberto Wanderley Silva
                                         Diretor Presidente

 

 

VISUALIZAR O RESULTADO ASSEMBLEAR 2020